top of page
Buscar
  • Foto do escritorEquipe Dra. Eliane Garcia

FREIOS ORAIS E MALOCLUSÃO

Será que os freios orais impactam no desenvolvimento orofacial, craniofacial e maloclusão?

A resposta é um retumbante sim! Há muitas evidências e bases científicas para esta argumentação.




Será que os freios orais impactam no aleitamento materno? A resposta é: ainda há dúvidas. Ou seja, um bebê, mesmo com anquiloglossia, pode conseguir mamar no peito da mãe, ganhar peso e não machucar seu mamilo. (Pediatras e mães felizes)


Mas será que é somente isso? Nestes casos, está tudo bem? NÃO.


Para quem conhece a fisiologia do aleitamento materno e está atualizado com as novas evidências sobre a importância do vácuo intraoral para a extração do leite durante o aleitamento materno, sabe que, mesmo o bebê ganhando peso e sua mãe confortável e sem dor, este bebê estará extraindo o leite de forma “adaptada” e sem a devida coordenação entre as funções respiração, sucção e deglutição, impactando no seu desenvolvimento crânio e orofacial.


Sabemos que estas adaptações podem impactar no estabelecimento de maloclusões, devido alterações na sucção, deglutição, respiração, fala e mastigação.

Será que estamos todos atentos a isso?


Sem dúvida, o leite materno como alimento é o melhor que podemos proporcionar ao bebê. Mas este é UM dos pontos da importância do aleitamento materno.


Nós, como odontopediatras, temos que estar atentos à fisiologia do aleitamento e que todos os seus estímulos neuromotores estejam se estabelecendo coordenadamente. E a língua representa um papel muito importante nesta fisiologia.


Do ponto de vista do odontopediatra, os movimentos realizados pela língua e todos os músculos envolvidos na extração do leite, permitem que o palato se desenvolva, a mandíbula avance e inicie a formação da articulação temporomandibular que estimula centros extremamente importantes do crescimento e desenvolvimento crânio facial do bebê.


O correto selamento labial estimula a respiração nasal que, desta forma, estimula o crescimento do terço médio da face. A sucção e deglutição coordenadas com a respiração também estimulam postura e desenvolvimento da coluna cervical.


Sem mencionar o aleitamento materno do ponto de vista da fonoaudiologia, da osteopatia, das terapeutas ocupacionais, consultoras de aleitamento e de tantos outros profissionais que devem estar atentos ao desenvolvimento deste “sistema” que é o bebê e seus primeiros mil dias de vida, e do binômio mãe/bebê.


A transdisciplinaridade é fundamental, assim, não é possível olhar o freio lingual curto somente de UM ponto de vista.


A obrigatoriedade de avaliação do freio lingual, por meio de uma lei (questionável ou não) trouxe a questão da falta de capacitação para o diagnóstico, decisão de intervenção e de técnicas a serem utilizadas.


Não se trata de minimizar a importância do freio lingual ou reservar sua atenção a especialidades específicas da saúde. Trata-se de capacitar todos os profissionais envolvidos para o correto diagnóstico (que apresenta protocolos validados de avaliação) e intervenções planejadas e adequadas para cada caso.


O manejo do aleitamento, sem dúvida é muito importante e pode ajudar muitos casos onde encontramos a dificuldade na efetivação do aleitamento materno, independente da presença de freio lingual curto.


No entanto, ainda observamos profissionais não capacitados para esta atuação e muitas especialidades em busca desta capacitação.


Do meu ponto de vista, o odontopediatra deve capacitar-se para ajustar o “aparelho” ortopédico/ortodôntico que o aleitamento materno representa, permitindo que todos os movimentos nele inseridos permitam o desenvolvimento neuro motor que propiciará o desenvolvimento harmonioso das arcadas e da oclusão funcional.


O monitoramento do desenvolvimento craniofacial desde a gestação deve fazer parte da nossa atuação. Temos que nos capacitar para isso.


Se neste caminho, o freio lingual curto for um fator de impedimento, devemos diagnosticá-lo e proceder as devidas intervenções em comum acordo transdisciplinar (pediatra, fonoaudióloga, osteopata, família).


A técnica cirúrgica vai depender das condições e do diagnóstico, realizados por profissionais capacitados e qualificados para tal. Lembrando da importância do pós operatório, onde a continuidade de monitoramento garantirá o sucesso da intervenção.


Referências



AS REPERCUSSÕES DO FREIO CURTO E A IMPORTÃNCIA DA LÍNGUA NO DESENVOLVIMENTO OROFACIAL.

 

Calvo-Henríquez C, Neves SM, Branco AM, Lechien JR, Reinoso FB, Rojas XM, O'Connor-Reina C, González-Guijarro I, Martínez Capoccioni G. Relationship between short lingual frenulum and malocclusion. A multicentre study. Acta Otorrinolaringol Esp (Engl Ed). 2021 Jul 20:S0001-6519(21)00031-5. English, Spanish. doi: 10.1016/j.otorri.2021.01.002. Epub ahead of print. PMID: 34301375.


Pompéia LE, Ilinsky RS, Ortolani CLF, Faltin K Júnior. Ankyloglossia and its influence on growth and development of the stomatognathic system. Rev Paul Pediatr. 2017 Apr-Jun;35(2):216-221. doi: 10.1590/1984-0462/;2017;35;2;00016. PMID: 28977337; PMCID: PMC5496731.


ALEITAMENTO MATERNO E MALOCLUSÃO NA DENTIÇÃO DECÍDUA. MALOCLUSÃO NA DENTIÇÃO DECÍDUA PODE INDICAR RISCO DE MALOCLUSÃO NA DENTIÇÃO PERMANENTE

 

Peres KG, Cascaes AM, Nascimento GG, Victora CG. Effect of breastfeeding on malocclusions: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr Suppl 2015a; 104: 54–61.

 

Doğramacı EJ, Rossi-Fedele G, Dreyer CW. Malocclusions in young children: Does breast-feeding really reduce the risk? A systematic review and meta-analysis. J Am Dent Assoc. 2017 Aug;148(8):566-574.e6. doi: 10.1016/j.adaj.2017.05.018.

 

Sánchez-Molins M, Grau Carbó J, Lischeid Gaig C, Ustrell Torrent JM. Comparative study of the craniofacial growth depending on the type of lactation received. Eur J Paediatr Dent. 2010;11(2):87-92.

Almahrul A, Alsulaimani L, Alghamdi F. The Impact of Breastfeeding and Non-Nutritive Sucking Behaviors on Skeletal and Dental Malocclusions of Pediatric Patients: A Narrative Review of the Literature. Cureus. 2021 Oct 31;13(10):e19160. doi: 10.7759/cureus.19160. PMID: 34873503; PMCID: PMC8631489.

Peres KG, Peres MA, Thomson WM, Broadbent J, Hallal PC, Menezes AB. Deciduous-dentition malocclusion predicts orthodontic treatment needs later: fi ndings from a population-based birth cohort study. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2015b; 147: 492–98.


TEORIA DO VÁCUO PARA O ALEITAMENTO MATERNO - IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA.

Sakalidis VS & Geddes DT. Suck-Swallow-Breathe Dynamics in Breastfed Infants. Journal of Human Lactation 2016, Vol. 32(2) 201–211

A LÍNGUA E O DESENVOLVIMENTO OROFACIAL

Potter NL, Bajwa A, Wilson EH, VanDam M. Developmental Changes in Tongue Strength, Swallow Pressures, and Tongue Endurance. Dysphagia. 2021 Oct;36(5):854-863. doi: 10.1007/s00455-020-10200-4. Epub 2020 Nov 10. PMID: 33170325; PMCID: PMC8869793.

 

POSIÇÃO DA LÍNGUA NA CAVIDADE ORAL EM REPOUSO - TESTES VALIDADOS

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Berretin-Felix. Posição da língua no repouso em bebês com e sem alteração do frênulo lingual. Anais do 22º Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia. 2014. p.5157. [acesso em: 2017 fev. 19]. Disponível em: http://sbfa.org.br/portal/anais2014/trabalhos_exp_select.php?tp=P&id_artigo=5157

 

Martinelli, R.L.C. Validação Do Protocolo De Avaliação Do Frênulo Da Língua em Bebês. [Dissertação De Mestrado].Bauru :Universidade De São Paulo Faculdade De Odontologia De Bauru; 2015


65 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page