Buscar
  • Equipe Odontopediatria Dra. Eliane Garcia |

CÉLULAS-TRONCO: como um dente pode salvar vidas


A célula-tronco é a responsável pela renovação celular, ela é capaz de se transformar em vários tipos de células e regenerar órgãos e tecidos lesionados.

Dente devidamente acondicionado para envio para o Centro de Criogenia Brasil.

Pesquisa em todo o mundo demonstram que as células-tronco isoladas de polpas saudáveis dos dentes decíduos (“dente de leite”) são altamente proliferativas.

O dente decíduo ideal para a coleta de células-tronco é um canino ou incisivo que já começou a afrouxar, pois, neste momento, eles ainda têm uma raiz completa, fornecimento de sangue intacto e polpa saudável. Porém, caso o paciente não tenha feito a coleta neste período e decida por isso posteriormente, ele poderá fazê-la, desde que o dente apresente tecido pulpar.

O procedimento da extração do dente “mole” para a coleta das células-tronco deve ser feito no consultório pelo Odontopediatra credenciado, sendo que o ideal é que ele não esteja extremamente frouxo e pronto para cair a qualquer momento. Quando os dentes caem naturalmente, eles se tornam mais susceptíveis a terem sua polpa necrosada, uma vez que foram separadas do seu fornecimento de sangue há algum tempo. Porém, caso seja o último dente decíduo da criança, este deve ser considerado para a coleta.

Considerando todos os fatores e benefícios futuros que as mesmas podem trazer à criança, na possibilidade de sua saúde se tornar debilitada, a coleta das células-tronco da polpa deve ser realizar na primeira oportunidade.

As células são conservadas por meio da criogenia e se mantém aptas a serem utilizadas ao longo da vida do indivíduo. Os avanços da medicina proporcionam, cada vez mais, a utilização deste material para a cura de diversas doenças.

Para saber mais sobre o processo de extração e conservação das células-tronco dos dentes, entre em contato com a Dra. Eliane Garcia, credenciada ao Centro de Criogenia Brasil.

#célulastronco

81 visualizações0 comentário