Buscar
  • Equipe Odontolopediatra Dra. Eliane Garcia |

Cadê o dente que era para estar aqui?


Sim, isto acontece! Algumas vezes o dente não existe.

Mas por que isto acontece?

A alteração no número de dentes de um indivíduo é a anomalia de desenvolvimento que acontece com mais frequência. Ela é chamada de Agenesia Dental. Se for caracterizada pela falta de dentes, ela se denomina agnesia dentária, se for pelo número aumentado é chamado de hiperdontia.

A causa mais frequente da agenesia dental é genética e frequentemente está associada a outras anomalias orais. Outros fatores também podem contribuir para o aparecimento do problema, como determinadas doenças e traumatismos durante a gestação, uso de substâncias químicas e determinados tipos de medicamentos pela mãe.

Os dentes mais afetados na agnesia são os terceiros molares, seguidos dos incisivos laterais superiores ou os segundos pré-molares inferiores.

O diagnóstico é feito pela observação da ausência de um ou mais dentes, conforme o caso, pela presença do dente decíduo que ainda permanece em época que já deveria ter sido substituído pelo permanente e constatado em radiografia a ausência do germe dental.

A aegnesia causa muita preocupação entre os pais, já que eles percebem que os dentes ficam mais espaçados do que o comum e também frequentemente tortos. Com o tratamento adequado é possível preservar a saúde e a estética bucal.

O dentista - ou odontopediatra, no caso de crianças - fará a análise do caso e recomendará o melhor tratamento, tanto para manter a oclusão quanto pela manutenção dos dentes decíduos.

O acompanhamento da criança em um profissional qualificado é fundamental, já que o odontopediatra poderá detectar o caso e iniciar o tratamento no tempo adequado. Além disso, o tratamento requer a atenção de vários profissionais qualificados para obter o melhor resultado para cada paciente a fim de primar pelo melhor tratamento possível.

Áreas afins:

Odontopediatria Ortodontia Ortopedia Dentistica Implante Periodontia Prótese

#agenesia #tratamento #problemasbucais #genética

233 visualizações0 comentário