Buscar
  • Equipe Odontolopediatra Dra. Eliane Garcia |

MANDÍBULA RETRAÍDA: QUANDO É E QUANDO NÃO É NORMAL.


Até os 6 anos, as crianças passam por um mudança muito grande no padrão de crescimento, sendo assim, o que é considerado normal aos 6 meses de idade é diferente dos padrões adotados para os 12 meses e assim por diante, cada idade tem seu próprio padrão de normalidade.

Ao nascer, é natural que os bebês nasçam com a mandíbula retraída, podendo ser uma retração de 10 milímetros até um centrímetro, considerando normal para a faixa etária. Assim que o bebê começa a mamar no peito, ocorre um estímulo de crescimento da mandíbula causado pelo movimento da ordenha da mamada. Vale lembrar que este estímulo não ocorre da forma correta quando o bebê faz uso de mamadeira. Conforme o bebê mama na mãe, a tendência é que a mandíbula e a maxila se desenvolvam e a mandíbula alcance a maxila.

Aos seis meses, quando normalmente ocorrem o nascimento dos primeiros dentinhos, a mandíbula costuma estar em harmonia em relação ao crescimento da maxila. Portanto, ocorre um grande crescimento da mandíbula nestes primeiros meses de vida. Quando os bebês fazem uso de mamadeiras e chupeta, este desenvolvimento é prejudicado. O que ocorre, então, é um crescimento vertical da maxila, travando o crescimento da mandíbula. Quando isto ocorre é possível perceber que a mandíbula e a maxila da criança não se encontram, estando estabelecida, neste momento, a primeira má oclusão desta dentição.

Dentre as alterações perceptíveis, é possível observar que os lábios da criança costuma ficar hipotônico, ou seja, voltados para baixo o inferior e para cima o superior, como se não tivessem ‘firmeza” para se manterem unidos. É muito importante notar se a criança permanece com os lábios encostados. Caso contrário, o problema pode estar tomando proporções ainda maiores.

Muitas vezes, apesar da criança mamar no peito e não fazer uso de mamadeira ou chupeta, ela herdou um padrão genético que contribui para que sua mandíbula seja pequena. Este fator irá contribuir para que a criança não tenha o desenvolvimento esperado da mandíbula.

DIAGNÓSTICO

A avaliação poderá ser realizada pelo Odontopediatra, e o tratamento vai depender das causas, onde poderá ser encaminhado para o tratamento de Ortopedia Funcional dos Maxilares ou Ortodontia, dependendo do diagnóstico e prognóstico do crescimento da máxima da mandíbula e também do desenvolvimento da oclusão dos dentes. Com estas medidas em mãos, o profissional poderá determinar a causa do mau desenvolvimento da mandíbula, podendo determinar, ainda, o potencial de crescimento mandibular.

FICA A DICA

- Não ofereça mamadeiras e chupetas para a criança. Se não for possível, ofereça o mínimo possível. Estabeleça os momentos que a criança poderá fazer uso destes acessórios. - Ao desmamar a criança, faça a transição direto para o copo, podendo ser com canudo ou sem. O copo de bico é tão prejudicial quanto a mamadeira. - Observe se os lábios do seu filho ficam encostados. - Faça o acompanhamento periódico com o odontopediatra.

#mandíbula #retrognatismomandibular

3,950 visualizações0 comentário